terça-feira, 2 de junho de 2020

A VIVÊNCIA FAMILIAR EM TEMPOS DE QUARENTENA



Robinson L Araujo[1]

Viver dentro de um ambiente confinado, em conjunto com outras pessoas, principalmente sendo elas da família, é um desafio em dias atuais! Levando a nos despir e viver quem realmente somos.

Sendo assim, I Pedro 2:1-3 nos fala:
Por isso, limpem a casa! Tratem de varrer tudo que é malícia, fingimento, inveja e comentários maldosos. Vocês já provaram de DEUS. Agora, como bebês de colo, bebam a pura bondade de DEUS e assim crescerão maduros e completos em DEUS.

Aqui, o Apóstolo Pedro, acaba nos trazendo alguns princípios e valores que acabam servindo para nossos dias, principalmente em tempos de quarentena, em virtude da epidemia que estamos vivendo. Sendo assim, vejamos:


1. LIMPEM A CASA

Ele diz que precisamos limpar nossa casa. Limpar a casa é o ato de retirar toda a sujeira e impureza que venha provocar um mal estar ao olhar ou, que venha colocar em risco a saúde daqueles que ali vivem.

Diferentemente do que muitos possam achar, aqui não é limpar a casa dos outros, é limpar a sua própria casa, o seu interior, aquilo que por vezes varremos para debaixo do tapete quando saímos de nosso lar, onde as pessoas raramente nos conhecem intimamente. 

Dentro do lar, não temos possibilidade de esconder quem verdadeiramente somos.

A nossa natureza adâmica é terrível, vejamos os próximos itens...


2. VARRER TUDO QUE É MALÍCIA

Varrer tudo o que é malícia! Em uma pequena pesquisa, encontramos o significado de malícia, sendo:
Malícia é um substantivo feminino com origem no latim malitia e que significa uma propensão ou tendência para praticar atos de maldade. Agir com malícia muitas vezes significa se comportar com dolo, com astúcia e com o objetivo de enganar ou causar dano em alguém. Uma pessoa que tem uma atitude de malícia muitas vezes é dissimulada, e finge alguns sentimentos para encobrir as suas verdadeiras intenções[2].
Importante salientar que, a partir do momento que nos entregamos ao Senhor, rejeitando a nossa natureza pecaminosa, passamos a viver em construção de uma nova vida, brigando com nossa velha natureza. Romanos 8:12-13, afirma:

Vocês não percebem que não devemos um centavo à velha vida, na qual a pessoa tem que fazer tudo por si. Não há nada nessa vida para nós, nada mesmo. O melhor a fazer é dar a ela um enterro definitivo e se engajar na nova vida. O Espírito de DEUS nos chama. Há muito o que fazer e lugares para conhecer!

Passamos a deixar uma vida maliciosa, porque não há nada nessa vida terrena para nós. Se não esperamos o que é terreno, passamos a viver em transparência dentro de nosso lar. Dentro do lar, não existe espaço para o engano ou o desejo de causar algum dano, seja: material, psicológico, sentimental...


3. VARRER TUDO QUE É FINGIMENTO

Buscando no dicionário[3], Fingimento vem a ser: Ação de fingir; simulação, hipocrisia, dissimulação. Artifício, simulacro, ficção.

Quando se está com pessoas distantes do lar, existe a possibilidade de ser quem você não é, ou seja, ser um verdadeiro hipócrita. DEUS, por meio do Seu Espírito Santo, que passa a fazer morada dentro de nosso coração, possibilita a transformação de nosso ser, não de fora para dentro e sim, de dentro para fora. E é dentro do lar, que por muitas vezes nossa máscara acaba caindo se continuarmos na "farsa" da transformação externa!

Caso não se varra o fingimento para fora de nosso coração, acabamos por contaminar o lar, onde o lixo ao invés de ser varrido para debaixo do tapete, deveria ter seu destino correto: a lata de lixo.

Vejamos o que o Apóstolo Paulo fala aos Efésios 4:20-24:

Mas isso não é vida, gente. Vocês aprenderam de Cristo! Acho que aprenderam direito, que foram bem instruídos na verdade, exatamente como a temos em Jesus. A desculpa da ignorância não vale mais, tudo — e quero dizer tudo mesmo — que está ligado àquele velho estilo de vida tem de ser abandonado. É pura podridão. Doideira total. Saiam fora! Agora é hora de ter um estilo de vida totalmente novo, zerado — uma vida planejada por Deus, renovada a partir de dentro; uma vida que muda para melhor a conduta de vocês e que faz o caráter de Deus tornar-se realidade em nossa vida.


4. VARRER TUDO QUE É INVEJA E COMENTÁRIOS MALDOSOS

Varrer o que é inveja e comentários maldosos! Como assim? Desde quando temos inveja dentro do lar? Desde quando tecemos comentários maldosos com aqueles que nos cercam debaixo do teto que vivemos?

Vejamos o significado de inveja[4]: Sentimento de cobiça à vista da felicidade, da superioridade de outrem: ter inveja de alguém. Sensação ou vontade indomável de possuir o que pertence a outra pessoa: ela tem inveja do marido da outra; ele tem inveja do seu chefe.

Desde que Adão resolveu estar separado da comunhão de DEUS, por sua desobediência, nos tornamos pessoas invejosas. Buscamos sempre ser melhor que, em uma competição que, em muitos casos é injusta e cruel.

Muitas vezes, acabamos agindo como crianças mimadas, que querem ter aquilo que o amiguinho possui. Em outras, colocamos a nossa língua em ação, e acabamos destruindo outras pessoas com os comentários que fazemos a respeito dela.

O Senhor, pede que cresçamos, veja só Efésios 4:14-16, que exorta:

Chega de ser criança. Não dá para tolerar gente ingênua, bebezinhos que são alvos fáceis dos impostores. Deus quer que cresçamos, conheçamos toda a verdade e a proclamemos em amor — à semelhança de Cristo, em tudo. Estamos seguindo Cristo, que é a base de tudo que fazemos. Ele nos mantém juntos. Sua respiração e seu sangue fluem através de nós, nutrindo-nos para que possamos crescer com saúde em Deus, fortalecidos em amor. 


5. BEBAM A PURA BONDADE DE DEUS

Em outras traduções, temos: desejando sempre o puro leite espiritual.

Quando Cristo passa ser o Agente transformador de nossa velha natureza, nos tornamos como crianças, embaladas nos braços do Pai, e passamos a beber do Seu melhor: Leite Puro que é a Sua Palavra.

Vejamos o que Romanos 8:3-4 nos orienta:

Deus acertou em cheio quando enviou seu Filho. Não tratou do problema como algo distante e sem importância. Em seu Filho, Jesus, assumiu pessoalmente a condição humana, entrou na confusão da humanidade que vive em conflito para consertar as coisas de uma vez por todas. O código da lei, enfraquecido pela natureza humana fragmentada, jamais poderia ter feito isso. A lei acabou usada como paliativo para o pecado, nunca para a cura completa. E, agora, o que o código da lei pede, mas que não conseguiríamos cumprir por nós mesmos, é que, em vez de redobrar nossos esforços, simplesmente aceitemos o que o Espírito está fazendo em nós.

Quando estamos confinados dentro de nosso lar, como refúgio do mal que está do lado de fora, a nossa comunhão só se tornará efetivamente sustentável, se aceitarmos o que o Espírito pode e faz em nós. É por meio do alimento espiritual que, como pais, passamos a não provocar a ira em nossos filhos (Efésios 6:4); Que os filhos passam  a obedecer os pais, não por medo e sim, por prazer (Efésios 6:1); Que o marido passa a dar o máximo de si a sua esposa (Efésios 5:25-28); Que a esposa compreendem melhor seu esposo (Efésios 5:22-24).


6. CRESCERÃO MADUROS E COMPLETOS EM DEUS

Crescer maduro e completo em DEUS é passar a ser uma pessoa cheia do Seu Espírito, que se sente bem dentro do seu lar, com as pessoas que o cercam. É varrer para fora tudo aquilo que possa contaminar e colocar no lugar certo, no esquecimento.

Crescer maduro é viver conforme Romanos 12:1 nos orienta: "Portanto, com a ajuda de DEUS, quero que vocês façam o seguinte: entreguem a vida cotidiana - dormir, comer, trabalhar, passear - a DEUS como se fosse uma oferta. Receber o que DEUS fez por vocês é o melhor que podem fazer".

O Apóstolo Paulo, não disse que seria fácil, olha o que ele afirma em Filipenses 3:12-16:

Não estou dizendo que já tenha tudo isso, que já o tenha conseguido. Mas estou a caminho, prosseguindo para Cristo, que me alcançou de uma forma impressionante. Amigos, não me entendam mal: não me considero um especialista no assunto, mas olhando para o alvo, para onde Deus nos chama — para Jesus. Estou correndo e não vou voltar atrás. Assim, os interessados em tudo que Deus tem para nós devem se manter focados no alvo; Se algum de vocês tem outra coisa em mente, algo menos que um compromisso total, Deus vai clarear a vista embaçada de vocês — e vocês vão enxergar! Agora, que estamos no caminho certo, permaneçamos nele.


CONCLUINDO

Como vimos, não é fácil nos despir de nós mesmos, mas é preciso caminhar para o Alvo - Cristo. É preciso correr e não olhar para trás.

Se em algum espaço no tempo e dentro do lar, tentamos varrer a sujeira para debaixo do tapete, é tempo de, em família, retirar todo o lixo, na força que o Espírito de DEUS nos dá. A partir desses princípios, teremos possibilidade de  vencer as dificuldades, maldades, e tudo aquilo que possa colocar em risco a nossa comunhão - pessoal, familiar e espiritual - em risco.

 

Que o Senhor nos dê sabedoria para termos coragem de pegar a vassoura! Que Ele nos ensine a Viver em Vida Plena.


REFERÊNCIA

PETERSON, Heugene H. Bíblia A MENSAGEM em Linguagem Contemporânea. São Paulo: Editora Vida, 2011.


[1] Pastor - e-mail: robinson.luis@bol.com.br - www.vivendoemvidaplena.teo.br
[2] Disponível em: <https://www.significados.com.br/malicia/>. Acessado em: 02 jun. 2020.
[3] Disponível em: <https://www.dicio.com.br/fingimento/>. Acessado em: 02 jun. 2020.

[4] Disponível em: <https://www.dicio.com.br/inveja/>. Acessado em: 02 jun. 2020.


segunda-feira, 25 de maio de 2020

EM TEMPOS DE PANDEMIA, O LAR DEVERIA SER O MELHOR REFÚGIO



Robinson L Araujo[1]

Em tempos de Pandemia provocada pela COVID-19, onde as autoridades solicitam um isolamento por parte da sociedade, na tentativa de evitar a propagação do vírus, trazendo assim, uma superlotação em leitos hospitalares, assiste-se um crescente número de casos de violência doméstica, no local onde deveria haver paz, proteção e tranqulidade: o seio do LAR.
Olhe algumas chamadas:
O isolamento social foi recomendado pelas autoridades de saúde como uma medida importante contra a propagação do coronavírus. Porém, uma das consequências da recomendação para que as pessoas fiquem em casa tem sido o aumento dos casos de violência doméstica contra as mulheres. Umas das causas apontadas é a maior permanência das mulheres na convivência com os agressores. (Fonte: Agência Senado[i]).
Um levantamento realizado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) mostrou que o número de ocorrências de violência contra a mulher aumentou em seis estados — São Paulo, Acre, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Mato Grosso e Pará —, em comparação ao mesmo período em 2019. O relatório aponta ainda que só no Estado de São Paulo, onde a quarentena foi adotada no dia 24 de março, a Polícia Militar registrou um aumento de 44,9% no atendimento a mulheres vítimas de violência, o total de socorros prestados passou de 6.775 para 9.817. Casos de feminicídios  também subiram, de 13 para 19 (46,2%). O Rio de Janeiro viu aumento de 50% nos casos de violência doméstica logo nos primeiros dias de quarentena (Fonte: Uol[ii]).
O chefe da ONU, António Guterres, pediu medidas para combater o “horrível aumento global da violência doméstica” dirigida a mulheres e meninas, em meio à quarentena imposta pelos governos na resposta à pandemia da COVID-19. (Fonte: Nações Unidas[iii]).
Infelizmente, contrário ao que DEUS proporcionou ao homem, onde o livro de Gênesis registra no início da criação: "O Senhor Deus disse: “Não é bom que o homem esteja sozinho. Farei alguém que o ajude e o complete”. (Gênesis 2:18). Sendo assim, DEUS dá um sono profundo ao homem e de sua costela forma a mulher. Em seguida, o próprio homem afirma: "“Finalmente!”, exclamou o homem. “Esta é osso dos meus ossos, e carne da minha carne! Será chamada ‘mulher’, porque foi tirada do ‘homem’”. Por isso o homem deixa pai e mãe e se une à sua mulher, e os dois se tornam um só". (Gênesis 2:23-24). Sendo tirada do homem, o casal deixa pai e mãe e se juntam formando uma só carne.
Formando uma só carne, tem-se aqui o sentido de unidade e caminhar juntos. Processo que deveria estar em crescimento durante a vida em casal, quando o tempo afina as confidencialidades e completa a unidade, que deveria ser marcas do tempo. Importante salientar que, a referida afirmação de "Adão", se deu antes da queda do homem, mas que não deveria ser mudado em nossos dias, bastando à luta pessoal na busca da unidade e crescimento, proporcionando confiança, respeito, segurança...
Mas, por que o crescimento da violência contra a mulher se avassala da maneira reproduzida pelas reportagens? São vários os motivos que levam as agressões, de forma justificadas pelos agressores, porém, injustificadas. 
Não foi para isso que o Senhor criou o casamento. Além da procriação, o casamento serve para promover a sacieis do isolamento de um homem e uma mulher, o crescimento cognitivo entre os dois no caminho da maturidade, cordialidade, amabilidade e outras definições que deveriam fazer parte interna do lar.
É possível acreditar que o amor se tem esfriado? Mateus 24:12, afirma: "Para muitos, a proliferação da maldade será fatal. Do amor que possuíam, restará apenas cinzas". O que se vê é o aumento da maldade, provocada por "n" fatores. Podendo citar um deles, em especial, a erotização por parte das próprias propagandas, das mídias, do acessos "on line" a recursos de pornografia, dessocializando o princípio criado por DEUS, provocando uma confusão mental e aflorando o extinto "animal agressivo dominador", provocado pela questão de "eu posso" do "é meu", ou seja, da possessividade. É claro, associado a questões como álcool, drogas e outras substâncias que afetam o cognitivo, alem, é claro, da certeza de impunidade.
O amor de muitos se esfriará, como mencionado, está ligado à falta da conexão "espiritual" que o homem tem deixado de lado, em virtude, sem generalizar, dos afazeres que dominavam seu tempo. Faz-se necessário a reconexão com o espiritual, com o sagrado, ou seja, com DEUS.
Sabedor da natureza humana o Apóstolo Paulo, escreve em suas cartas algumas exortações, afirmações e orientações de como o casal deve se comportar, na busca da unidade, da quebra do egoísmo e egocentrismo que muitas vezes acabam dominando o coração e a mente. Chamando assim, para o começo da criação: "se tornando uma só carne", veja:
Por respeito a Cristo, sejam educados e tenham respeito uns pelos outros. Esposa, entenda e de apoio ao seu marido, pois assim demonstrará seu apoio a Cristo. O marido exerce liderança em relação à esposa, mas da mesma forma com a qual Cristo faz à igreja: com carinho, não por dominação. Assim como a igreja se submete à liderança de Cristo, a esposa deve submeter-se ao marido. Marido, de o máximo de amor à esposa: faça como Cristo fez pela igreja — um amor marcado por entrega total. O amor de Cristo torna a igreja íntegra. Suas palavras evocam a beleza dela. Tudo que ele faz e diz tem o propósito de extrair o melhor dela. Ele quer vê-la vestida de branco, brilhando santidade. E assim que o marido deve amar a esposa. Até porque estará fazendo um bem a si mesmo, uma vez que ambos são “um” pelo casamento. (Efésios 5:21-28).
Mas, antes de escrever essas orientações, no verso 20, Paulo afirma: "Cantem louvores por tudo, pois de qualquer situação, pode surgir um tema para uma canção a DEUS...". Se pela pós-modernidade é difícil a mulher se sujeitar ao esposo, por se sentir "dominada", cante louvores a DEUS, não como dominada, mas como fiel cooperadora em unidade com o esposo, sendo uma mulher sábia. Por outro lado, o marido, não se sinta dono e sim, doe-se como Jesus Cristo se entregou, entregando-se a sua esposa na formação da unidade do casal. Quando se age assim, o verso 29 diz que: "Ninguém maltrata o próprio corpo". Não há porque o homem praticar violência contra sua companheira por amar a si mesmo, sendo os dois uma só carne.
Um pouco mais a frente, Paulo aconselha em Colossenses 3: 19:21, veja:
Esposas, compreendam e apóiem o marido, submetendo-se a eles de forma que honre o Senhor. Maridos, amem a esposa. Não ajam como aproveitadores delas. Filhos, façam o que seus pais mandam. Isso alegra muito ao Senhor. Pais, não sejam severos demais com seus filhos, pois acabarão esmagando o espírito deles.
Só existirão paz e harmonia dentro do lar em tempos de pandemia ou, em qualquer época, quando houver a doação de um para com o outro. Se doar, como Cristo se doou por nós! É de forma sacrifical, contra o ego e a individualidade.
De forma contrária, não se prega uma submissão cega por parte da mulher para com o homem dentro de um relacionamento. Muito menos, o domínio do homem para com a mulher dentro de um relacionamento. O que DEUS quer é a honra mutua de um para com o outro, edificando-se e motivando-se no relacionamento. Não somente entre o casal, como para com seus filhos.
Só haverá a possibilidade da quebra desta onda que assola os lares, quando o amor se aquecer novamente dentro dos corações que, pela correria, deixou que o frio achasse brecha para dominar e afastar, prejudicar e maltratar, ferir e até mesmo destruir.
Que DEUS tenha misericórdia, dando condições para mudar as situações que sejam contrárias a unidade do lar em tempos de isolamento dentro do lar. Que se venha a crescer na unidade e no amor.
Paz a todos os corações!

Referências
Bíblia Nova Versão Transformadora. Disponível em: <https://www.bibliaonline.com.br/nvt>. Acessado em: 25 mai. 2020.
PETERSON, Heugene H. Bíblia A MENSAGEM em Linguagem Contemporânea. São Paulo: Editora Vida, 2011.




[1] Pastor - e-mail: robinson.luis@bol.com.br - www.vivendoemvidaplena.teo.br - Face: Pr Robinson L Araujo

sábado, 23 de maio de 2020

DEUS, FAMÍLIA E COVID-19!



Robinson L Araujo[1]

Vive-se tempos difíceis, onde pessoas são levadas a se isolarem, separadas uma das outras. Do tempo corrido, quando quase não se tem tempo pra mais nada, passa-se a ficar parado, quieto. De fato, o tempo era escasso. Tempos de pós-modernidade!
Muitos acabam por ficar contrariados ao pedido de isolamento, de não sair de casa, deixar os encontros para outras oportunidades, as festas, as reuniões, passeios, igreja...
É preciso recordar, antes de prosseguir que, esse vírus não é a primeira ameaça enfrentada pela sociedade, já houve outros desafios, como a revista Galileu publicou "As 5 maiores epidemias da história", sendo:
1. Peste bubônica - Causada pela bactéria Yersinia pestis e pode se disseminar pelo contato com pulgas e roedores infectados. A doença é considerada, historicamente, a causadora da Peste Negra, que assolou a Europa no século 14, matando entre 75 e 200 milhões de pessoas na antiga Eurásia. No total, a praga pode ter reduzido a população mundial de 450 milhões de pessoas para 350 milhões.
2. Varíola - A doença atormentou a humanidade por mais de 3 mil anos. O faraó egípcio Ramsés II, a rainha Maria II da Inglaterra e o rei Luís XV da França tiveram a temida “bixiga”. O vírus Orthopoxvírus variolae era transmitido de pessoa para pessoa, por meio das vias respiratórias. Os sintomas eram febre, seguida de erupções na garganta, na boca e no rosto. Felizmente, a varíola foi erradicada do planeta em 1980, após campanha de vacinação em massa.
3. Cólera - Sua primeira epidemia global, em 1817, matou centenas de milhares de pessoas. Desde então, a bactéria Vibrio cholerae sofre diversas mutações e causa novos ciclos epidêmicos de tempos em tempos e, portanto, ainda é considerada uma pandemia. Sua transmissão acontece a partir do consumo de água ou alimentos contaminados, e é mais comum em países subdesenvolvidos. Um dos países mais atingidos pela cólera foi o Haiti, em 2010. O Brasil já teve vários surtos da doença, principalmente em áreas mais pobres do nordeste. No Iêmen, em 2019, mais de 40 mil pessoas morreram devido à enfermidade..
4. Gripe Espanhola - Acredita-se que entre 40 e 50 milhões de pessoas tenham morrido na pandemia de gripe espanhola de 1918, causada por um vírus influenza mortal. Mais de um quarto da população mundial na época foi infectada e até então presidente do Brasil, Rodrigues Alves, morreu da doença, em 1919. O vírus veio da Europa, a bordo do navio Demerara. O transatlântico desembarcou passageiros infectados no Recife, em Salvador e no Rio de Janeiro. Os sintomas da doença eram muito parecidos com o atual coronavírus Sars-CoV-2, e não existia cura.
5. Gripe Suína (H1N1) - Conhecida como gripe suína, o H1N1 foi o primeiro causador de pandemia do século 21. O vírus surgido em porcos no México, em 2009, e se espalhou rapidamente pelo mundo, matando 16 mil pessoas. No Brasil, o primeiro caso foi confirmado em maio daquele ano e, no fim de junho, 627 pessoas estavam infectadas no país, de acordo com o Ministério da Saúde. 
Hoje, segundo o site (https://news.google.com/covid19/map?hl=pt-BR&gl=BR&ceid=BR:pt-419), existem no mundo: 5.288.392 pessoas infectadas; 2.102.557 de pessoas curadas e 340.875 mortes.

1. O QUE DEUS TEM A VER COM TUDO ISSO?
Muitos culpam a DEUS pelos problemas enfrentados, pelas crises, calamidades, catástrofe, e o que de ruim venha-se a enfrentar. Seria DEUS uma pessoa tão ruim?
Antes de se falar da soberania de DEUS, entenda que em Seu projeto de criação do homem, o pecado não fazia parte. O livro de Gênesis acaba por observar em seu início, quando o ser humano, criação de DEUS, resolveu escolher o seu caminho e desobedecer a Sua ordenança, veja “Quem lhe disse que você estava nu?”, perguntou Deus. “Você comeu do fruto da árvore que eu lhe ordenei que não comesse?” (Gênesis 3:11).
A Soberania de DEUS é suficientemente grande para não interferir nas escolhas do homem. O ser humano é livre para fazer suas escolhas, porém, também, para arcar com suas consequências. Como hoje, vivem-se epidemias e outros males, pela escolha errada que a criatura preferiu. Caso contrário, por certo, estaria livre dos males que assolam a vida.
Outros acabam por lançar toda a culpa ao Diabo. De certo, ele não tem poder para realizar nada, se não for pela permissão de DEUS que tudo controla como, o caso de Jó, quando Satanás argumenta com DEUS, veja:
Certo dia, os anjos vieram à presença do Senhor, e Satanás, o acusador, veio com eles. “De onde você vem?”, perguntou o Senhor. Satanás respondeu: “Estive rodeando a terra, observando o que nela acontece”. Então o Senhor perguntou: “Você reparou em meu servo Jó? Não há ninguém na terra como ele. É homem íntegro e correto, teme a Deus e se mantém afastado do mal”. Satanás respondeu: “É verdade, mas Jó tem bons motivos para temer a Deus. Tu puseste um muro de proteção ao redor dele, de sua família e de seus bens e o abençoaste em tudo que ele faz. Vê como ele é rico! Estende tua mão e toma tudo que ele tem, e certamente ele te amaldiçoará na tua face!”. “Pois bem, você pode prová-lo”, disse o Senhor. “Faça o que quiser com tudo que ele possui, mas não lhe cause nenhum dano físico.” Então Satanás saiu da presença do Senhor. (Jó 1:6-12).
Imediatamente o inimigo saiu e devastou a família e os bens de Jó. Em outro momento, Satanás retorna a DEUS:
Certo dia, os anjos vieram outra vez à presença do Senhor, e Satanás, o acusador, veio com eles. “De onde você vem?”, perguntou o Senhor. Satanás respondeu: “Estive rodeando a terra, observando o que nela acontece”. Então o Senhor perguntou: “Você reparou em meu servo Jó? Não há ninguém na terra como ele. É homem íntegro e correto, teme a Deus e se mantém afastado do mal. E não perdeu sua integridade, apesar de você me ter instigado a prejudicá-lo sem motivo”. Satanás respondeu: “Pele por pele! Um homem dará tudo que tem para salvar a própria vida. Estende tua mão e tira a saúde dele, e certamente ele te amaldiçoará na tua face!”. “Pois bem”, disse o Senhor. “Faça o que quiser com ele, mas poupe-lhe a vida.” Então Satanás saiu da presença do Senhor e causou em Jó feridas terríveis, da sola dos pés ao alto da cabeça. (Jó 2: 1-7).
Com os exemplos da vida de Jó, é possível perceber que as situações acontecem pela permissão de DEUS, não porque Ele seja bom ou ruim, e sim, por um propósito.
Na atualidade, o homem vivia sem tempo, até mesmo para estar com a sua família. Também, não quer dizer que o Senhor mandou uma epidemia como a que se têm enfrentado, sendo como castigo ou provação. Não! É fruto daquilo que o homem escolheu lá na criação. Mas, se tem a oportunidade como nunca de viver o melhor que Ele proporcionou a cada um: A Família!

2. A FAMÍLIA
Com o surgimento da COVID-19, surge o pedido de se ficar dentro de casa, sair somente para o essencial. Diante de tamanho desafio, tem-se a oportunidade de viver a família. E que desafio!
A família é um laboratório para a vida adulta dos filhos, desde que se lhes propicie um ambiente com afeto, tolerância, valores. Um ambiente salutar e rico, como um templo da argumentação, do convívio com o diverso e com o adverso. É na família que cada membro se desnuda e revela suas fraquezas. No entanto, é solo fértil para o cultivo das virtudes. (ARAUJO, 2014).
Nos meios de comunicação e redes sociais, é possível assistir pais tendo tempo de brincar novamente com seus filhos, de participar em suas atividades escolares, de inventar e reinventar brincadeiras, a desafiar, a vencer juntos.
Antes de ser uma coisa horrível ficar em casa, pense na oportunidade que se tem de recolocar a vida familiar nos eixos. Ser família, voltar a aprender a viver com tempo para seus filhos e cônjuge. Acabou a correria, os jogos, as festas, as reuniões!, A família agora se tornou o único lugar SEGURO para se estar, ficar, viver e conviver. Para muitos, isso terá que ser reaprendido, pois já há muito tempo esqueceu-se de como é viver em família; agora se tem o desafio de aprender outra vez.
Lembra as pragas do Egito, quando da última, antes de acontecer, DEUS manda Moisés pedir que o povo ficasse dentro de sua casa, até a "praga" passar?
Nessa noite, passarei pela terra do Egito e matarei todos os filhos mais velhos e todos os primeiros machos dentre os animais na terra do Egito. Executarei juízo sobre todos os deuses do Egito, pois eu sou o Senhor. Mas o sangue nos batentes das portas servirá de sinal e marcará as casas onde vocês estão. Quando eu vir o sangue, passarei por sobre aquela casa. E, quando eu ferir a terra do Egito, a praga de morte não os tocará. (Êxodo 12:12-13).
O Padre Pedro Cunha[2], afirmou: "Tempos difíceis sempre geram oportunidades de crescimento e fortalecimento do que é essencial. Estamos vivendo esses tempos difíceis e, então, é hora de crescermos e nos fortalecermos naquilo que é essencial: a família".

3. É NAS DIFICULDADES QUE SE TEM A POSSIBILIDADE DE CRESCER
De fato, muitas pessoas aproveitam os tempos difíceis para se reinventar! São oportunidades que surgem em meio aos desafios. De um lado, trabalhadores estão perdendo seus empregos, outros tendo redução de salário. Mas, é possível observar que muitos estão se reinventando para ganhar seu pão de cada dia, de levar recursos para dentro do lar, lugar onde se faz necessário estar.
Por outro lado, é nas dificuldades que outros encontram a oportunidade de se aproximar mais de DEUS. O tempo corrido, as tecnologias e as atividades acabam por desviar a atenção do Criador, buscando as realizações pessoais e deixando-se o "espiritual" como segundo plano, quando o tempo deixar.
DEUS tem dado a oportunidade de ser e viver a Igreja, dentro do lar, em comunhão com a família. Pessoas esquecem que o "templo - construção" não é a Igreja, que ali é um local para reunião, com a oportunidade de, em comunhão com outros, poder adorar a DEUS. Quantos líderes religiosos perdem a sua família pelo envolvimento com as coisas do templo? Sendo assim, tem-se a oportunidade de se reinventar e ser Igreja em seu lar e por onde andar.
A Igreja deixa de ser um local fechado e adquire vida. Com a morte e ressurreição de Jesus Cristo, ela passa a ter personalidade com os Seus ensinamentos e não há mais condições de ficar congregada internamente, como os sacerdotes o faziam. (ARAUJO, 2018).
Surge a Igreja de Atos dos apóstolos. Uma Igreja que crescia assustadoramente pelo exemplo do novo cristianismo pregado pelos discípulos de Jesus Cristo. Exemplo afirmado quando Lucas escreveu: "Todos os dias, o número deles aumentava, e DEUS acrescentava os que iam sendo salvos[3]".

CONCLUSÃO
É verdade que o surgimento do coronavírus (COVID-19) tem provocado inúmeros transtornos na vida das pessoas, nos empregos, na economia, na sociedade, municípios, estados, países, no mundo.
Vidas estão sendo ceifadas, pessoas perdem pais, filhos, irmãos, familiares próximos, amigos... Ela não escolhe: raça, cor, padrão social, sexo, idade, saudável ou não, simplesmente aterroriza os sonhos.
Porém, com todas as dificuldades já mencionadas, uma coisa é certa: Tem-se a oportunidade de melhorar a comunhão familiar, estreitando os laços e sentimentos e a depender mais de DEUS.
É tempo de orar e interceder por sua família.

BIBLIOGRAFIA
ARAUJO, Robinson Luis. A IGREJA DESIGREJADA: UMA ANÁLISE FILOSÓFICA. 2018. 15f. Artigo científico apresentado ao Curso de Graduação da FIC, como requisito parcial para obtenção do Diploma em FILOSOFIA para Licenciados ou Certificado em Formação Pedagógica em FILOSOFIA para Bacharéis e Tecnólogos; Aquidauana, 2018.
ARAUJO, Robinson Luis. O Papel Sacerdotal dos Pais Dentro da Família. 2014. 18f. Artigo produzido para a conclusão do Curso de Pós-Graduação lato sensu em Terapia Familiar, Universidade Cândido Mendes. Rio de Janeiro, 2014.
Bíblia Nova Versão Transformadora. Disponível em: <https://www.bibliaonline.com.br/nvt>. Acessado em: 23 mai. 2020.
Conheça as 5 maiores pandemias da história. Disponível em: <https://revistagalileu.globo.com/Ciencia/Saude/noticia/2020/03/conheca-5-maiores-pandemias-da-historia.html>. Acessado em: 23 mai 2020.
CUNHA, Pedro. A Família e o Coronavírus. Diponível em: <https://www.a12.com/redacaoa12/opiniao/a-familia-e-o-corona>. Acessado em: 23 mai 2020.



[1] Pastor. E-mail: robinson.luis@bol.com.br
[2] Padre Pedro Cunha é sacerdote da diocese de Lorena (SP), fundador das Aldeias de Vida, professor universitário e reitor do Santuário Diocesano de Nossa Senhora da Santa Cabeça
[3] Atos 2:47 - Bíblia A Mensagem.

quarta-feira, 27 de novembro de 2019

PÓS-MODERNIDADE, SEXUALIDADE, CULTURA, IDEOLOGIA DE GÊNERO E A IGREJA



Robinson L Araujo[1]


Antes de discorrer sobre o assunto que é muito presente em dias atuais,  principalmente na igreja, é necessário citar as palavras do Apóstolo São Paulo, na carta aos Romanos, em seu capítulo 12, verso 2, que afirma:
Não se ajustem demais à sua cultura, a ponto de não poderem pensar mais. Em vez disso, concentrem a atenção em DEUS. Vocês serão mudados de dentro para fora. Descubram o que Ele quer de vocês e tratem de atendê-Lo. Diferentemente da cultura dominante, que sempre o arrasta para baixo, ao nível da imaturidade, DEUS extrai o melhor de vocês e desenvolve em vocês uma verdadeira maturidade. (A Mensagem).

A recém igreja criada em Roma, em um império em expansão e conquistas advindas das guerras, acabava por trazer para dentro de si outras culturas e tipos de orgias vividas por povos conquistados. Sendo assim, o apóstolo pede para que aquelas pessoas não se ajustassem ou, simplesmente, não "conformassem com a cultura".

Conformar-se é a ação de, sentindo-se já confortável e acostumado com a situação presente, não desejar uma melhoria, não obstante a consciência da existência de algo melhor. O conformismo é marcado pela apatia e, em consequência, pela falta de atitude perante o quadro vivido.

Também, não se pode afirmar que ter atitude é envolver-se em acusações que geram desprezo, discórdia, segregação, exclusão, racismo, preconceitos, dentre outros.
Quando se recorre ao significado de cultura[2], encontra-se:
Cultura significa todo aquele complexo que inclui o conhecimento, a arte, as crenças, a lei, a moral, os costumes e todos os hábitos e aptidões adquiridos pelo ser humano não somente em família, como também por fazer parte de uma sociedade da qual é membro. Cada país tem a sua própria cultura, que é influenciada por vários fatores. A cultura brasileira é marcada pela boa disposição e alegria, e isso se reflete também na música, no caso do samba, que também faz parte da cultura brasileira.

Jesus Cristo, antes mesmo das palavras do apóstolo dirigida aos Romanos, pede para Seu Pai - DEUS:
Eu dei a eles Tua Palavra. O mundo mau os odiou por causa disso. Porque eles não adotaram o estilo de vida do mundo. Não peço que os tires do mundo, mas que os guardes do maligno. Eles não são mais orientados pelo mundo, assim como Eu também não Sou. (João 17:14-16 - A Mensagem).

A igreja, têm vivido ataques de todos os tipos, pela não conformação com um tipo de "cultura" que tenta a passos largos e rápidos, levar as pessoas a um tipo de domínio que elas mesmas não conseguem pensar a respeito, tamanha ofensividade por parte de seus mentores. Também, não se pode tirar a culpa a partir do momento que a igreja passa a ser oposição a Mensagem do próprio Cristo quando afirmou: "Vocês estão cansados, enfastiados de religião? Venham a Mim! Andem comigo e irão recuperar a vida. Vou ensiná-los a ter descanso verdadeiro. Caminhem e trabalhem comigo!". (Mateus 11:28 - A Mensagem).

De fato, tem-se vivido em uma sociedade cada vez mais crítica e liberal, a qual é inserida pela Pós-Modernidade e um Pós-Modernismo. A essa diferença, Fredric Jameson, crítico literário norte-americano e um dos principais autores a analisar a pós-modernidade, defende que, embora semelhantes em alguns aspectos, os dois conceitos são distintos.
A pós-modernidade seria uma estrutura, ou seja, o modo como a atual sociedade está configurada. Este período pode ser chamado de "capitalismo tardio" ou "terceiro momento do capitalismo". Em suma, representa o período em que a globalização se consolida, assim como as mudanças nas áreas tecnológicas, comunicacionais, científicas, econômicas, etc.
Por outro lado, o pós-modernismo deve ser interpretado como um estilo artístico-cultural, que nasceu essencialmente a partir da arquitetura e se espalhou para as artes e literatura, como: Ausência de regras e valores; individualismo; pluralidade; choque e mistura entre real e imaginário (hiper-real); liberdade de expressão, etc.

Importante se frisar que dentre várias características que a Pós-Modernidade apresenta a que se deve destacar é a da "Banalização e Ausência de Valores". Valores esses, sufocados pela Teoria Queer Studies, sendo:
Essa Teoria é, então, uma linha de pensamento filosófico e sociológico surgida da aliança entre feministas e movimento LGBTQ. É uma teoria que ainda está em construção e que foi altamente influenciada pelo existencialismo de Beauvoir, pelo marxismo, pela psicanálise, pelos estudos pós-coloniais, e por Foucault. Postula contra a classificação e padronização das identidades, contra o assimilacionismo cultural, contra a cisnormatividade e heteronormatividade, contra o patriarcado, contra o (pink) capitalismo e contra o sistema binário de gênero/sexualidade. Não é, como alguns pensam, uma política identitária; é uma teoria crítica e pós-identitária orientada pela política das diferenças (e não da diversidade) e da subversão.

Sendo assim, Queer é tudo que o discurso da sociedade transforma em anormal, em estranho, em abjeto, em subalterno (Miskolci, 2012). São os gays afeminados, as lésbicas masculinizadas, as pessoas trans e travestis, as pessoas intersexo, e todos que estão na margem social.

Uma teoria aclamada por Hayashi, empresário de Pabllo Vittar, em entrevista, acabou por afirmar: "....Então, a mensagem que queremos passar para eles é: "podemos ser o que quisermos", diz"[3]. Palavras afirmadas quando do anuncio de uma Turner por Pabllo no ano de 2018, pelo Brasil.

Mas, não é de hoje que a referida teoria tenta se implantar na sociedade, levando a segregação de princípios e valores familiares, regados a drogas e orgias de afronta aos princípios que regem a Palavra de DEUS.

Adentra os lares pelos canais de comunicação, como a televisão, onde os desenhos já afirmavam que, a criança em formação, pode ser o que ela quiser ser. Outros em que os personagem não possuem sexo definido, a homossexualidade comungada nas novelas e aos poucos, minando a mente de uma juventude em crescimento. E ainda mais, disseminada na própria educação.

De forma alguma, afirmar-se que a homossexualidade é doença ou outro fator de menosprezo para com aqueles que assim o são. Também não se pode deixar de registrar que a biologia é certa, existindo o macho e a fêmea, sendo que, em alguns casos, o hermafrodita.

Com isso, na página da INFOESCOLA[4], pode-se encontrar uma definição sobre sexualidade, sendo:
O termo “sexualidade” nos remete a um universo onde tudo é relativo, pessoal e muitas vezes paradoxal. Pode-se dizer que é traço mais íntimo do ser humano e como tal, se manifesta diferentemente em cada indivíduo de acordo com a realidade e as experiências vivenciadas pelo mesmo.
A noção de sexualidade como busca de prazer, descoberta das sensações proporcionadas pelo contato ou toque, atração por outras pessoas (de sexo oposto e/ou mesmo sexo) com intuito de obter prazer pela satisfação dos desejos do corpo, entre outras características, é diretamente ligada e dependente de fatores genéticos e principalmente culturais. O contexto influi diretamente na sexualidade de cada um.

Já Silva (2013), afirma que a sexualidade juvenil é uma questão que necessita de discussão acerca do contexto social em que jovens das diversas classes sociais estão inseridos, através de fatos, valores morais e éticos, práticas culturais, visões de mundo locais e globais, grupos de pertença e construção de personalidades que possam vir a identificar o "homem" e a "mulher" em torno da garantia de sua própria vida sexual, que é diversa, qual seja: hetero, homo, bi ou transexual.

Ainda em seu artigo denominado "Diversidade sexual e de gênero: a construção do sujeito social", Ariana Kelly Lendra Silva da Silva, acaba por afirmar que a sexualidade é, sem dúvida, uma construção. Construção de valores "modernos", de condutas éticas, de um processo contínuo da percepção de quem somos em condições históricas, culturais e de inter-relações humanas específicas, portanto, contextualizadas localmente (como diria Geertz, 2000), sendo que o simbolismo da vida sexual – e humana – está coadunado com a conformação familiar, escolar, pessoal, pública, privada, de abstração da realidade e da concretização de atitudes de combate à discriminação, como atua o Movimento LGBT Brasileiro que luta pelo direito à livre expressão e por Direitos Humanos, assim como da idéia do que vem a ser sexo (prática sexual), o sexo do corpo (gênero e fisiologia), a identidade de gênero (quem eu sou na sociedade), a orientação sexual (condição biossocial), e também, o significado cultural e político de visibilidade dessa construção de sujeitos históricos, logo, sujeitos políticos e comprometidos com a dinâmica social, que deve ser exercitada também, na Escola (assim como em toda a construção da vida cotidiana), que levante a bandeira contra toda forma de dominação ideológica e hegemônica de poder, como diria Michel Foucault (1993) em "História da Sexualidade I: A Vontade de Saber":
Dizendo poder, não quero significar 'o poder', como um conjunto de instituições e aparelhos garantidores da sujeição dos cidadãos em um estado determinado. Também não entendo poder como um modo de sujeição que, por oposição à violência, tenha a forma de regra. Enfim, não o entendo como um sistema geral de dominação exercida por um elemento ou grupo sobre o outro e cujos efeitos, por derivações sucessivas, atravessem o corpo social inteiro. A análise em termos de poder não deve postular, como dados iniciais, a soberania do Estado, a forma da lei ou a unidade global de uma dominação; estas são apenas e, antes de mais nada, suas formas terminais. Parece-me que se deve compreender o poder, primeiro, como a multiplicidade de correlações de forças imanentes ao domínio onde se exercem as constitutivas de sua organização; o jogo que, através de lutas e afrontamentos incessantes as transforma, reforça, inverte; os apoios que tais correlações de força encontram umas nas outras, formando cadeias ou sistemas ou ao contrário, as defasagens e contradições que as isolam entre si; enfim, as estratégias em que se originam e cujo esboço geral ou cristalização institucional toma corpo nos aparelhos estatais, na formulação da lei, nas hegemonias sociais (1993, p. 88-89).

Desse modo, a construção da sexualidade é diária. Constante. Contra todas as formas de poder, de discriminação, de preconceitos, de (i) legitimidade sexual e de imposições culturais, que devem ser analisadas na Escola (e na sociedade) de maneira clara, objetiva, madura, rotineira, sem medos ou valores tradicionais para que possamos por em prática todo o conteúdo teórico que adotamos como significante da vida social e, assim, ter alunos e alunas, cidadãos e cidadãs, realmente livres de toda forma de discriminação.

A liberdade em ser, não pode estar relacionada em libertinagem. O respeito e direito de todos, como no dito popular que proclama: “o seu direito acaba onde começa o dos outros”, que envolve bom senso, ética e valores morais e, também, direitos e deveres assegurados em Lei.

Passa-se a ouvir sobre a ideologia de gênero. Essa questão remete a um movimento promovido, no início do século XIX, por uma pessoa de nome Lewis Henry Morgan. Ele dedicou seus estudos a estabelecer três itens no incipiente movimento chamado, então, de “sociedade primitiva”. A intenção de Morgan era demonstrar que o Estado, a ideologia de gênero, a crise da identidade sexual e religião tinham causado grandes problemas na configuração da família. O processo de Morgan se estendeu pelos meios universitários durante os séculos XIX e XX. Sendo seus maiores expoentes e ideólogos Marx e Engels.

A primeira definição do termo ideologia de gênero é, então, movimento que pretende desconstruir a família e os vínculos existentes dentro dela. Seja qual for a sua visão íntima sobre o assunto, é interessante que se possa manter uma relação de compreensão e aceitação de sua própria sexualidade.

O segundo passo, no estabelecimento de tal ideologia, foi dado, em 1968, quando Robert Stoller defendeu a necessidade de fortalecer o conceito e a definição do termo “gênero”, em detrimento da definição do termo “sexo”. Segundo Stoller, utilizar o termo sexo masculino e feminino constituía uma séria problemática para a identidade sexual do indivíduo.

A filósofa Arlene Bacarji, por exemplo, define ideologia de gênero como:
“Uma “ideologia” que atende a interesses políticos e sexuais de determinados grupos, que ensina, nas escolas, para crianças, adolescentes e adultos, que o gênero (o sexo da pessoa) é algo construído pela sociedade e pela cultura, as quais eles acusam de patriarcal, machista e preconceituosa. Ou seja, ninguém nasce homem ou mulher, mas pode escolher o que quer ser. Pois comportamentos e definições do ser homem ou mulher não são coisas dadas pela natureza e pela biologia, mas pela cultura e pela sociedade, segundo a ideologia de gênero.”

Ela ainda afirma que “temos de entender que existem os aspectos biológicos que não podem ser negados, eles são reais e dados. Loucura são as vezes que escapamos da realidade para fazer de nossas fantasias, alucinações e delírios uma realidade”.Por “fantasias, alucinações e delírios”, a filósofa se refere à ideia defendida por movimentos feministas de que a biologia tem pouca relação com a questão de gênero. Bacarji discorda de que os papéis atribuídos a homens e mulheres são construídos a partir de relações de opressão, resultado de uma cultura machista. Ela ainda questiona “será que um homem pode exercer o papel de mãe? Será que uma mulher pode ter a mesma força física de um homem de forma natural, sem nenhum recurso externo como hormônios masculinos?”.

Bacarji adiciona que “hoje, vivemos a loucura, em que as pessoas fazem de seus delírios uma realidade e ainda querem impô-las aos outros por meio de leis” e demonstra preocupação de que “as crianças e os adolescentes poderão, ingenuamente, crer nisso”.
O maior desafio é que toda essa "diversidade" tem adentrado as congregações e templos onde a igreja se reúne. Onde os jovens cantam músicas cristãs e de Pabllo Vittar, expressam seus sentimentos "homossexuais" e a acusação é que são "pecadores desprezados por DEUS". Também, não se deve moldar as coisas do mundo para dentro da igreja, com a finalidade de atrair pessoas.

Não existe um pecadinho ou um pecadão! A Palavra nos assevera em Romanos 3:23-24: "Pois todos pecaram e não alcançam o padrão da glória de DEUS,
mas Ele, em sua graça, nos declara justos por meio de Cristo Jesus, que nos resgatou do castigo por nossos pecados". Só por intermédio da Cruz, haverá transformação de natureza.

A natureza humana, em virtude de sua queda, é uma natureza perdida e deturpada. Por vezes se quer satisfazer os desejos da carne e da alma. O próprio apóstolo Paulo afirmava que o bem que ele queria, não conseguia fazer, mas, o mal que ele não queria isso ele fazia. Romanos 7:14-21:
14b. O problema está em mim, pois sou humano, escravo do pecado.
15. Não entendo a mim mesmo, pois quero fazer o que é certo, mas não o faço. Em vez disso, faço aquilo que odeio.
16. Mas, se eu sei que o que faço é errado, isso mostra que concordo que a lei é boa.
17. Portanto, não sou eu quem faz o que é errado, mas o pecado que habita em mim.
18. E eu sei que em mim, isto é, em minha natureza humana, não há nada de bom, pois quero fazer o que é certo, mas não consigo.
19. Quero fazer o bem, mas não o faço. Não quero fazer o que é errado, mas, ainda assim, o faço.
20. Então, se faço o que não quero, na verdade não sou eu quem o faz, mas o pecado que habita em mim.
21. Assim, descobri esta lei em minha vida: quando quero fazer o que é certo, percebo que o mal está presente em mim.

É possível que se viva conflitos. Muitos daqueles que estão dentro das igrejas, pedem oração para que DEUS os liberte do vício, do desejo de se prostituir com outra mulher e o pedido é aceito, passando-se a orar por quem pediu, para que não caia na tentação. Tentação essa, devido à natureza caída.

Agora, imagine você se uma pessoa se levantar em uma reunião e pedir oração para que se liberte de seus desejos homossexuais que o afligem. O que fariam com aquela pessoa que foi sincera como a anterior? Excluir-se-ia? Acusaria? Não deixariam que seus filhos se aproximassem dela?

O detalhe que uma geração está crescendo e aprendendo que ela "pode ser o que ela quiser" e a igreja deve estar pronta para ensinar que ela pode ser o que DEUS planejou para a vida dela.

Uma cultura tenta dominar a sociedade de forma avassaladora e determinada, promovendo o caos, erradicando os princípios a qual se crê. Pessoas podem ser o que queiram ser, mas, outras, não possuem o direito de imputar suas crenças e convicções. Há uma espécie de criação "divina" por parte da sexualidade, sendo assim, os confrontos e desejos de imposição.

Dulci (2019) faz o seguinte questionamento: Diante dessa situação, fica a pergunta: qual é a melhor abordagem cristã para lidar com essas questões? Não podemos permanecer superficiais aqui. Minha maior preocupação, abstraindo de questões teóricas e pensando nas pessoas, é responder: como podemos honestamente oferecer aconselhamento e ajuda cristã a quem sofre com questões de gênero, sexo e sexualidade? Que alternativa estamos apresentando aos adolescentes que cresceram vendo e ouvindo Pabllo Vittar? Como a grande tradição teológica e filosófica reformada pode esclarecer essas questões?

A igreja precisa voltar ao primeiro amor! Amar a DEUS sobre todas as coisas e ao seu próximo como a ti mesmo, palavras do Mestre Jesus Cristo em Mateus 22:27-29. Só poderá haver transformação se houver acolhimento e ensino.

João 8:32 afirma: "Então, irão experimentar a verdade, e a verdade vai libertá-los". E qual é a verdade num mundo de inverdades? Num mundo onde a verdade é relativa? É a única verdade imutável e absoluta: "O Sangue de Jesus, o Filho de DEUS, nos purifica de todo o nosso pecado". (I João 1:7b - A Mensagem).

A igreja precisa: amar, inserir e amar!

Existe um desafio muito grande que é lutar com o dominador deste mundo, o deus deste século (II Coríntios 4:4). Não é uma luta fácil, mas faz-se necessário não se conformar com a cultura dominante.

Em uma conversa com o amigo teólogo e professor de filosofia Wilson Marques Dias sobre o referido artigo, ele acrescentou: "A cultura dominante de fato é avassaladora, e não só a Igreja, mas a Família e a Escola sofrem severos ataques desse pós-modernismo que pregam a inversão de valores, onde as pessoas podem ser o que quiserem como um ato de rebeldia àquilo que é natural. De fato, a pessoa pode ser o que quiser sim, mas sem deixar de ser o que são. Sem deixar de se perguntar o tempo todo: "o que DEUS quer de mim?" ou ainda "o que DEUS espera de mim?" A sexualidade pode estar em constante construção, mas sem aniquilar a pessoa humana, a construção de valores não pode negar a subjetividade".

E ainda finalizou: "Tanto a escola, a família, como a Igreja, são as Instituições Sociais responsáveis por lutar e combater toda forma de dominação ideológica que afasta as pessoas de sua essência. Os aspectos biológicos não podem ser negados, devem estar acima dos ideológicos".


Que DEUS capacite-nos a andarmos e vivermos em Vida Plena!



REFERÊNCIAS:

DULCI, Pedro. Identidade e Sexualidade: Reformando Nossa Visão de Conceitos Fundamentais. Brasília/DF: Editora Monergismo, 2019.

FAVERO, Cíntia. O QUE É SEXUALIDADE. Disponível em: <https://www.infoescola.com/sexualidade/o-que-e-sexualidade/>. Acessado em: 21 de nov. de 2019.

Foucault, M. História da Sexualidade I: A Vontade de Saber. Rio de Janeiro: Graal, 1993.
Ideologia de Gênero e a Desconstrução da Família. Disponível em: <https://formacao.cancaonova.com/atualidade/ideologiadegenero/ideologia-de-genero-e-a-desconstrucao-da-familia/. Acessado em: 23 de nov de 2019.

MORAES, Pâmela. O QUE É IDEOLOGIA DE GÊNERO (E POR QUE FALAM TANTO DELA)?. Disponível em: < https://www.politize.com.br/ideologia-de-genero-questao-de-genero/>. Acessado em 23 de nov de 2019.

PETERSON, Heugene H. Bíblia A MENSAGEM em Linguagem Contemporânea. São Paulo: Editora Vida, 2011.

SIGNIFICADO DA PÓS-MODERNIDADE. Disponível em: <https://www.significados. com.br/pos-modernidade/>. Acessado em: 22 de nov de 2019.

SILVA, Ariana Kelly Lendra Silva da.  Diversidade sexual e de gênero: a construção do sujeito social. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo. php?script=sci_arttext&pid=S2175-25912013000100003>. Acessado em: 22 de nov de 2019.

TEORIA QUEER. Disponível em: https://medium.com/@lucas.germano/o-que-%C3%A9-a-teoria-queer-5c084c0b6cfd>. Acessado em: 21 de nov. de 2019.



[1] Pastor - e-mail: robinson.luis@bol.com.br
[2] Disponível em: < https://www.significados.com.br/cultura/>. Acessado em 22 de nov de 2019.
[3] Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/geral-42513721>. Acessado em: 21 de nov de 2019.